segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Sem saber que era impossível, ele foi lá e fez (I)

video

"E sem saber que era impossível, ele foi lá e fez". A frase, de Jean Cocteau, titula uma série de postagens que se inicia hoje e que mostrará a força da superação, onde acreditar é muito mais importante que ter maior capacidade, onde a vontade e o empenho até a última gota de suor são compensados pela vitória, pelo sorriso e lágrima da superação. Até a final do Panamericano de Indianápolis, em 23 de agosto de 1987, a seleção americana de basquete jamais tinha sido derrotada em casa e jamais tinha sofrido 100 pontos.

O Brasil, comandado por Oscar e Marcel, bateu os donos da casa com o placar de 120 a 115. Uma das mais belas páginas do esporte, jamais esquecida pelos apaixonados do basquete, sobretudo brasileiros e americanos. Nenhum jogador americano conseguiu marcar Oscar, que somou 46 pontos, para espanto dos 16.408 torcedores que lotaram a Market Square Arena. O técnico Denny Crum revezou três jogadores para marcar Oscar: Rick Berry, Willie Anderson e Fennis Dembo. Nenhum deles teve sucesso na missão.

Oscar QUERIA ser campeão naquela noite e sabia que PODIA, não se importando se seus pés estavam em solo americano e se o adversário era o MONSTRO (seleção americana). No vídeo da postagem (imagem: Rede Bandeirantes de TV), Oscar fala o que sentiu, o que teve fazer para superar os americanos e fala sobre a importância daquele triunfo. Ele ACREDITOU, ele CONSEGUIU.

“SE A CHANCE APARECER E VOCÊ NÃO ESTIVER TREINADO, ELA PASSA E VOCÊ NEM VÊ”
Oscar Schmidt

postado por ANTUNIS CLAYTON (pai orgulhoso das duas mais bonitas blogueiras do BA-RA-SIL)
. . .

Nenhum comentário:

Postar um comentário